Quarta , 23 de Agosto de 2017
 
Variedades
Publicada em 13 de Agosto de 2017 ás 17:54:48

DE AGOSTINHO PARA AGOSTINHO PAI

internet

 Palavras que não foram ditas, abraços dados no tempo, solidão da partida, perdi você.

 

Por: Agostinho Costa (Escritor, Poeta, graduado em Letras)

 

Sinto o teu cheiro em toda parte, sei que não está mais aqui, nada posso fazer.  Corro de um lado para o outro, olho para o nada, e o que vejo pendurado na parede sem cor, é o seu retrato em branco e preto.  A sala está vazia... me aproximo da foto, choro. Me lembro que um dia aquela foto foi colorida – como nossas vidas! Grito, chamo por ti, e você não vem, minha boca seca, lamenta tua ausência, meus olhos não têm mais o verde do mar, não existem motivos para eles brilharem. Percebo que estou ficando velho e sem forças para recomeçar, nada faz mais tanto sentido. Então, triste, sento ao lado da solidão e do vazio e grito o seu ou meu nome? As lágrimas banham meu rosto, olho para o céu e imploro por um abraço, não vê que estou de braços abertos à espera do seu acalento? Vem, PAI. Com essa introdução cheia, carregada, exacerbada de emoção APENAS UM OLHAR traz uma súplica pela presença do meu ídolo, do meu tudo, do meu pai. Logo vai meu pranto, regado de todo amor de: Agostinho filho para Agostinho Pai.

Saliento que, esse texto nada mais é que um lamento triste, de um coração despedaçado, que sente a falta do seu pai e que ao mesmo tempo, suplica a todos os que ainda os têm presente, revejam seus conceitos, pois, ainda há tempo para recomeçar. Diga não só uma vez o quanto ele é importante em sua vida, mais várias, repita até se cansar, e, estando cansado, recupere suas forças e faça tudo de novo, não deixe o tempo abafar ou calar sua voz. Caso, contrário, viva na eminencia e incerteza do amanhã, ou quem sabe do talvez.

Palavras que não foram ditas, abraços dados no tempo, solidão da partida, perdi você. Calor divino, alma de voz, sorriso lindo ninguém me disse que não era para chorar! Ninguém me disse que restava tão pouco tempo para sua partida! Por que partiu mesmo antes que eu dissesse que te amava? Foi muito importante para mim, não sabia? Não me disse adeus e se foi, será que você me ouve? Onde está você agora? Sinto sua falta! Alguém não te disse que eu ia sofrer? Queria tanto compartilhar minhas alegrias contigo, queria tanto chorar com o teu choro e me aconchegar nos seus braços, como eu queria!!! Foi um egoísta! Chorei quando te vi dormindo, gritei! Você não acordou para me acalentar. Silêncio no ar... a luz se apagou! Talvez um dia eu possa dizer o quanto te amo, quanto faz falta. Queria ver você ensinando meus filhos a andar de cavalo, a plantar milho no quintal, a capinar as leiras de cebolas e de coentros, ir comprar pão ao cair da tarde, acordar bem cedinho e ordenhar as vacas e compartilhar o primeiro copo de leite com ele, meu Deus como eu queria!!! Que falta você faz!!

 Olho no espelho e vejo sua imagem refletida, meu cabelo está caindo... sou você!  O vento acaricia meu rosto... ouço sua voz, alguém me chama... você responde. Por que me deu o seu nome? Pensou que iria te esquecer? Sou você mesmo que eu não queira, meu coração chora, mesmo assim você não vem me consolar, por que você não está aqui comigo? Estou confuso, sinto medo! Preciso de você, PAI.

 

 

Mais Notícias
Empresa de Editorao de Jornais e Revistas Ltda-Me Todos os Direitos Reservados.
Rua do Pass, n 114, Andar 1, Centro- CEP: 43.805-090
Candeias - BA
Fone: 71- 3601-9220 / 71- 98633-1278 /
Email: folhareconcavo@gmail.com